sábado, 30 de abril de 2016

Onde estás felicidade



felicidade

Aqui estou nessa fazenda, em cima da carroça cheia de sorrisos, no chão batido e um cão procurando em que lugar escondeu seu osso. Aqui todos respiram felicidade, é na simplicidade que ela se instala.


sexta-feira, 29 de abril de 2016

Criança negra

Eu amo criança negra, as bem cuidadas, as que não têm muita sorte. O amor que tenho é tanto por uma criança negra que me fez adotar com dez dias um menino da raça negra que sempre será a razão da minha vida.

Meu filho

Cristovam (o intelectual)





quarta-feira, 27 de abril de 2016

A espera II



Há anos que venho cá na esperança que tu voltes no navio que o levaste para longe. Acredito que o navio afundou por lá e tu nunca mais voltarás.

 Obrigada a todos
 Que comentaram
 Aqui


terça-feira, 26 de abril de 2016

Fantasia irreal


A criança quando nasce chora e, na primeira mamada ela sorri, mas é só a mamãe quem "vê" o sorriso dela, nada diz a ninguém para não ser motivo de piegas.


sábado, 23 de abril de 2016

O sol brilha no horizonte



Estamos separados pelo oceano, mas quando vir o sol brilhar no horizonte, tenha certeza, do lado de cá, meu coração palpita por você e peço: volte logo.

Criança feliz



Criança feliz é aquela que faz pose com a cara suja para a foto, tem muitos amigos na rua, toma banho no riacho, come arroz e feijão frios na panela, entra pelos matos afora procurando mistura pra sua mãe fazer no jantar.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Violeiro solitário



O violeiro alegra corações, mas hoje, solitário, canta a sua dor, a saudade da sua cabocla que o abandonou para nunca mais voltar.


quarta-feira, 20 de abril de 2016

Sou abstrata



Minha vida é em suma uma abstração
Sou única dentro do meu pensamento
Me isolo de ti que me enche de dengos
Quero a solidão, o silêncio sem clamores

Andando a esmo no nada d'um só isolar
Beijo-te sem te sentir, mais parece um ar
Frio, enraizado na minha demência, choro
Quero amar-te, mas sou abstrata não amo

Perdoa-me, sou a flor sem viço que vive só
Numa imensidão do nada, me sinto morta
Vai-te, arrume uma mulher de carne e osso

Que te ame, te enche de abraços e reais beijos
Eu cá fico na minha abstração até ser liberta
Desse muro espinhoso, gélido sem ser abstrata



segunda-feira, 18 de abril de 2016

Haicai





Cada pingo de orvalho
          Que cai na tua pele morena nua
     São desejos que sinto por ti

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Cadê o inverno?



O clima está de ponta cabeça. Não estamos no inverno? Onde ele está, pois estou derretendo de calor o ano inteiro. Será o fim dos tempos??


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Meu Brasil


Sátira

Venham morar no Brasil, aqui não há roubos, assassinatos, tudo é barato, empregos são muitos; todos podem tratar da sua família sem medo e não há tiros, pois todos somos palhaços. Bela e gostosa profissão!


Repente



1
Corri estradas espinhosas
Procurando o meu amor
Nada achei, só vi tristeza
Rebentando meu coração
2
O meu coração já derreteu
Entrou pelas veias do corpo
Aquela malvada era safada
 Deixou- me triste a ver navios
1
Mas certo dia eu a encontrei
Dançando num sujo bordeaux
Quando me viu quis me abraçar
Afastei-me e beijei a uma outra
2
Com certeza o amor foi doído
Mesmo querendo o maldito amor
Virei às costas pra' aquela vadia
Que um dia abarcou meu coração